Noticias

Aluno atira em frente a escola após boatos sobre sua sexulidade

Sexta-Feira, 15/03/2019, 14:41:36 - Atualizado em 15/03/2019, 14:50:10 ,

Tamanho da fonte: A- A+
Mixto-MT afirma que Remo ofereceu R$ 600 mil (Foto: Reprodução/Mixtonet.com)

Um dia após o ataque a tiros em uma escola de Suzano, em São Paulo, que deixou 10 mortos e abalou o país, alunos e funcionários de outra escola, na Grande Belo Horizonte, levaram um susto no início da noite de quinta-feira (14).

Um rapaz de 20 anos chegou à porta da instituição e atirou para o alto. Após ser detido, o jovem disse que fez isso porque estavam circulando boatos sobre a sexualidade dele.

Veja mais:

O crime ocorreu por volta das 18h40, em Nova Lima, em uma escola estadual no Bairro Bonfim. A PM foi acionada e, chegando ao local, conseguiram interceptar o autor dos disparos através de descrição feita por testemunhas.

No momento do ataque, ele usava uma camisa cor de vinho. Quando foi abordado pela PM, o suspeito estava com o uniforme da escola. Mas, ao revistar a mochila do mesmo, eles encontraram a camisa vinho.

Veja mais:

Em depoimento, o rapaz assumiu ser o responsável pelo ato e justificou o crime dizendo que queria apenas assustar dois alunos da instituição. Segundo ele, os colegas estavam espalhando boatos de que ele mantinha relações homossexuais com outra pessoa em troca de favores.

O estudante disse que se livrou da arma perto da casa dele, mas a polícia não achou o artefato no local indicado.

Um rapaz de 20 anos compareceu à delegacia com mensagens de texto do suspeito dizendo que se encontraria com ele na porta da escola pra “resolver as diferenças”.

De acordo com a PM, o acusado não escondeu a preocupação com seu celular, o que levou as autoridades a suspeitarem de que o aparelho poderia armazenar algum arquivo ilícito.

O estudante foi levado para a Central de Flagrantes da Polícia Civil (Ceflan) 3 e detido por disparo de arma de fogo e crime de ameaça. Após, foi encaminhado ao sistema penitenciário. Além disso, ele foi afastado da escola e a Secretaria de Educação do Estado aconselhou os pais a procurar ajuda psicológica.

Ele se matriculou na escola na modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA).

(Com informações de Estado de Minas)